Pesquisa aponta que nível técnico excede superior na retomada do emprego na indústria

Emerson F. Tormann 11 de set de 2017
KLEBER SANTOS 29 - Eleições CREA-DF
Pesquisa aponta que nível técnico supera superior na retomada do emprego na indústria

Brasil terá de qualificar 13 milhões de pessoas até 2020, diz Senai; profissões transversais e tecnológicas levam vantagem. Escolha de curso deve levar em conta vocação e polos regionais.

A indústria absorveu mais trabalhadores de nível técnico que de nível superior no primeiro semestre deste ano, aponta levantamento do Sistema Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) divulgado nesta segunda-feira (11).

Segundo a pesquisa, atividades mais próximas à linha de produção – operadores, técnicos de manutenção e de vendas, por exemplo – voltaram a abrir vagas, enquanto as oportunidades para engenheiros e diretores continuam baixas. Das dez áreas de engenharia pesquisadas, apenas três tiveram saldo de empregos positivo (veja tabela abaixo).

O diretor-geral do Senai, Rafael Lucchesi, credita esse cenário à recuperação do consumo das famílias e ao perfil do próprio sistema de emprego. Segundo ele, os dados também revelam "sinais de recuperação" da indústria e da economia, de modo geral.

"O sistema de emprego, via de regra e em qualquer atividade, é piramidal. Por exemplo, você tem um professor titular, alguns adjuntos, vários auxiliares e ainda mais alunos", explica Lucchesi. Essa lógica se repete em outros ambientes, como a indústria.

"Então, é claro que você tem um contingente maior de operadores, de funções mais subalternas. Com qualificação técnica superior a 200 horas, um número intermediário. Aí, um número menor de técnicos, e ainda menor de engenheiros."

Essa distribuição do trabalho, segundo o diretor do Senai, faz com que os empregos de menor qualificação sejam os primeiros na "fila do corte" quando a crise chega – e os primeiros na fila da recontratação, quando a economia se estabiliza.

Em outro estudo recente, o Senai apontou que o Brasil terá de qualificar 13 milhões de trabalhadores em ocupações industriais até 2020. Segundo o órgão, boa parte desse número se refere à requalificação – por exemplo, alguém que já atua como eletricista, mas precisará fazer um curso de automação para se manter competitivo.


Diretor-geral do Senai, Rafael Lucchesi (Foto: Alexandre Bastos/G1)

Profissões 'promissoras'

De acordo com o Senai, devem levar vantagem nessa retomada os profissionais capazes de trabalhar em diversos segmentos da economia. Nesse sentido, um "técnico em manutenção de máquinas e equipamentos", por exemplo, tem mais chances no mercado que um "especialista em editoração".

"Se o trabalhador tem uma formação transversal, tende a ficar mais tempo vinculado ao emprego, e menos tempo desempregado. Só fica em situação adversa se a economia cair como um todo. Em geral, há setores caindo e setores em maior desenvolvimento, ao mesmo tempo", diz Lucchesi.

O economista afirma que todas essas formações "transversais", mais versáteis, estão associadas à tecnologia da informação. Mais que isso, estão ligadas ao conceito de indústria 4.0 – que, além de TI, engloba áreas como "internet das coisas", "cyberserviços", "virtualização" e outros conceitos que, até pouco tempo atrás, eram restritos aos "think tanks" de engenheiros na Europa e nos EUA.

Ao G1, Lucchesi também negou que essas formações técnicas, por serem mais rápidas que um curso superior, tenham remuneração inicial menor. "Um técnico em mineração recém-formado, por exemplo, tem salário médio inicial de R$ 7 mil.


Alunas em aula de corte e modelagem, em curso de qualificação em Rondônia (Foto: Ivanete Damasceno/G1)

E quais são essas áreas?

O levantamento do Senai usou dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho. A lista do órgão foi dividida por nível de formação – qualificação de até 200 horas, qualificação superior a 200 horas, curso técnico (de 800 a 2 mil horas) e curso superior. As engenharias foram consideradas em uma outra tabela.

Confira o 'top 5' em cada um desses níveis, de acordo com o Senai, e o saldo de empregos de cada área no primeiro semestre deste ano:

Ocupação - Saldo de empregos

Qualificação até 200 horas

Alimentadores de linhas de produção - 42.463
Trabalhadores nos serviços de manutenção de edificações - 23.972
Trabalhadores da mecanização agropecuária - 17.725
Motoristas de veículos de cargas em geral - 9.443
Preparadores de fumo - 9.072

Qualificação com mais de 200 horas

Instaladores e reparadores de linhas e cabos elétricos, telefônicos e de comunicação de dados  - 4.785
Operadores de máquinas para costura de peças do vestuário - 3.494
Mecânicos de manutenção de máquinas industriais - 2.808
Montadores de equipamentos eletroeletrônicos - 1.664
Operadores de instalações e máquinas de produtos plásticos, de borrachas e parafinas - 1.521

Qualificação técnica

Técnicos de vendas especializadas - 2.536
Instaladores-reparadores de linhas e equipamentos de telecomunicações - 1.347
Técnicos em operação e monitoração de computadores - 879
Montadores de veículos automotores (linha de montagem) - 841
Técnicos em programação - 828

Nível superior


Desenhistas industriais - 314
Diretores de produção e operações de construção civil e obras públicas - 15
Profissionais da metrologia - 5
Especialistas em editoração - 0
Profissionais da biotecnologia - 3

Engenharias

Engenheiros de alimentos e afins - 16
Engenheiros mecatrônicos - 5
Engenheiros ambientais e afins - 2
Engenheiros agrimensores e engenheiros cartógrafos - 32
Engenheiros em computação - 90

Fonte: Senai e Ministério do Trabalho

O mapa da mina

Questionado pelo G1, Rafael Lucchesi preferiu não estabelecer padrões muito rígidos ao indicar os "empregos do futuro" – ou mesmo dos próximos meses. Segundo ele, tão importante quanto seguir tendências globais é prestar atenção na vocação de cada região do país.

"Os setores que mais empregam na indústria são alimento, vestuário, calçados e construção civil. São indústrias mais distribuídas, multiplantas. Em todas as cidades, as pessoas precisam desses bens."

"Os demais setores, aí depende dos eixos de desenvolvimento econômico. A indústria petroquímica, por exemplo, tem polos em Camaçari (BA), Paulínia (SP), Duque de Caxias (RJ), Porto Alegre (RS). O mesmo acontece com a indústria automobilística, com a mineração", afirma.



Aluno de ensino profissionalizante brasileiro na competição mundial 'World Skills', em Londres, em 2011 (Foto: Vanessa Fajardo/G1)Nesses setores, é preciso pesquisar a dinâmica econômica, o tipo de formação exigida e, mais uma vez, quais as novas tecnologias envolvidas na cadeia de produção. As secretarias estaduais de trabalho, o "sistema S" (Senai, Senac, Senar e Sebrae) e o Ministério do Trabalho costumam produzir cartilhas, gratuitas e disponíveis na web, com esse tipo de informação.

Gargalo

Mas se o ensino técnico e profissionalizante paga bem, é mais rápido e emprega mais, por que apenas 8% dos jovens brasileiros passam por essa etapa da educação? Segundo o diretor-geral do Senai, Rafael Lucchesi, o problema está ligado ao preconceito, ao baixo investimento e a uma mentalidade "antiga".

"Nosso contingente ainda é baixo, o que cria um problema de competitividade. Na Alemanha, na Áustria, na Suíça, no Japão, mais de 50% fazem educação profissional junto à educação regular", compara.

Uma das soluções para esse gargalo, segundo o Senai, pode vir com a reforma do ensino médio. Sancionada em fevereiro, a lei preve expansão do ensino integral, flexibilização da grade curricular e expansão da formação técnica e profissional. No entanto, ainda não há um cronograma claro para que tudo isso comece a ser implementado.

"A reforma é um sopro de modernidade. Ainda estamos discutindo a Base Nacional Curricular Comum e, aí, você vai ter uma rampa de implementação disso. É uma oportunidade para o Brasil mudar essa distorção", diz Lucchesi.

Fonte: G1
Kleber Souza dos Santos

Engenheiro Agrônomo (UFSC, 1992). Mestre em Gestão Econômica do Meio Ambiente (UnB, 2001). Especialista em Gestão do Agronegócio (UnB, 2009). Especialista em Botânica (UFLA, 2006). Especialista em Administração Rural (UFV, 1995). Candidato à Presidência do CREA-DF, eleições 2017.

Comentar “Pesquisa aponta que nível técnico excede superior na retomada do emprego na indústria”

Este espaço é democrático no qual você pode opinar. No entanto, comentários ofensivos, desrespeitosos ou com vocabulário inadequado não serão aceitos. Se preferir, envie sua mensagem para kleber@valoriza.eng.br. Obrigado.