A Engenharia e o Governo Brasileiro

Emerson F. Tormann 23 de ago de 2017
KLEBER SANTOS 29 - Eleições CREA-DF
O problema dos interesses da classe de engenharia no Brasil é muito antigo e há uma tendência muito curiosa que também se perde no tempo, de transferir a culpa dos erros do Governo para os técnicos, ficando o Governo apenas com o saldo positivo dos acertos dos técnicos.

É verdade que, por vezes, os técnicos erram como também é verdade que erram os políticos, erram os economistas, erram os médicos e que podem errar, enfim, todos aqueles que exercem atividade produtiva. Mas o técnico, neste particular, intérprete da ação do homem sobre a natureza, para adaptá-la às necessidades da civilização, recebe as críticas pelos seus erros, enquanto os seus acertos servem para o elogio aos políticos.

É hábito do Governo deixar que em determinadas soluções inadequadas, dadas a problemas nacionais ou regionais, quando verificado o erro, seja este atribuído aos técnicos que deveriam executá-las. Ao mesmo tempo, como rotina, com raras e honrosas exceções, não dá aos técnicos suficiente liberdade de ação para que possam orientar os trabalhos de que foram incumbidos, de forma a poderem assumir efetiva responsabilidade pelos resultados, certos ou errados.

Jaime Rotstein. Em defesa da engenharia brasileira (Locais do Kindle 161-169). Digitaliza Brasil.
Kleber Souza dos Santos

Engenheiro Agrônomo (UFSC, 1992). Mestre em Gestão Econômica do Meio Ambiente (UnB, 2001). Especialista em Gestão do Agronegócio (UnB, 2009). Especialista em Botânica (UFLA, 2006). Especialista em Administração Rural (UFV, 1995). Candidato à Presidência do CREA-DF, eleições 2017.

Comentar “A Engenharia e o Governo Brasileiro”

Este espaço é democrático no qual você pode opinar. No entanto, comentários ofensivos, desrespeitosos ou com vocabulário inadequado não serão aceitos. Se preferir, envie sua mensagem para kleber@valoriza.eng.br. Obrigado.